"A poesia é o eco da melodia do universo no coração dos humanos." (Rabindranath Tagore)

Lira quebrada


Perco-me na sonolência dos gestos,
no pensar que se pausa no passado.
O que sinto agora são vestígios,
fragmentos de um tempo que findou
e ao saber-me tão só e entristecido
talvez  meu coração se acorde
e mande mais uma vez aquele anseio
que só se faz quando o amor desperta.
 

Como posso perceber o mundo
se os meus olhos se turvam na distância
e não ouço mais a melodia de teus passos?
Até mesmo, os sabores e cheiros jazem
misturados no bolor das coisas velhas.
Meu Deus, o que há comigo,
por que não consigo sentir,
ao menos uma vez,
o arrebatamento das horas?

……………………..

Ó meiga musa, toma-me pela mão
e passo a passo vem caminhar comigo,
conduze-me aos teus átrios sagrados.
Não, não digas nada, nenhuma palavra,
ao menos por enquanto,
o segredo deste momento é permanecer calado
como convém àqueles que descobrem a eloqüência dos gestos,
quando as mãos acordam e se revestem de ternura.
Depois… depois de tudo terminado,
deixa-me ao menos adormecer no teu colo o meu cansaço,
como um pássaro que adormece ao ninho após a faina.

 
 
José Luongo da Silveira
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: