"A poesia é o eco da melodia do universo no coração dos humanos." (Rabindranath Tagore)


As águas salgadas
passam ligeiras
por meus olhos desprotegidos,
corroendo as retina doloridas.
 

E tu verás no fundo,
bem no fundo junto à areia
meus olhos a luzirem tristes e serenos,
a desprender-se de suas órbitas
numa luz frouxa e benfazeja,
nessa visão que engloba também o teu perfil
e nas camadas verde-azuladas de tantas águas submergidos,
eu sentirei o abandono,
longe das pálpebras e palpitações
escancarados para as águas.

Um dia meus olhos
hão de emergir translúcidos,
flutuando nas águas lustrais
que escorrem dos riachos, dos rios,
da imensidão dos mares
e acordarão o menino triste,
que encontrará o porto de regresso.

                                                                                              José Luongo da Silveira
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: